Áudios sobre “salve” de facção criminosa espalham medo em Natal

A quinta-feira (6) amanheceu mais tensa em Natal depois que viralizou pelos aplicativos de mensagens um suposto aviso de uma facção criminosa ameaçando intensificar assaltos contra a população.

Cigarreiras fecharam as portas perto da Maternidade Januário Cicco

A sensação de insegurança aumentou com algumas ocorrências que foram registradas ao longo do dia, inclusive um caso de latrocínio, na capital. As forças de segurança do estado intensificaram o trabalho ostensivo e efetuaram algumas prisões, mas não confirmaram se houve aumento de ocorrências que possa justificar a preocupação e o cumprimento da possível promessa de ataques criminosos. A Polícia Civil investiga a autenticidade das mensagens.

“Logo cedo eu vi uma senhora sendo assaltada na Praia de Areia Preta, ali em frente ao relógio. A mulher tinha acabado de descer do ônibus e dois rapazes passaram, um de cada lado dela e puxaram a bolsa. Um entrou para o lado de Mãe Luíza e outro para o lado da praia, mas foi pego pela polícia”, relatava uma testemunha que não quis se identificar enquanto aguardava o ônibus de volta pra casa.

Para ela a sensação de insegurança aumentou desde que uma mensagem de texto intitulada “Salve Geral”, supostamente de uma facção criminosa, começou a ser compartilhada e viralizou ainda ontem. O texto começou a ser divulgado aparentemente na segunda-feira (3), um dia após as eleições, informando que a partir dessa data os membros estavam liberados para cometer assaltos de todos os tipos, exceto dentro das “quebradas” que o próprio grupo criminoso domina, que poderão ser usadas para armazenar veículos e produtos de roubo.

A mensagem foi compartilhada seguida de áudios que explicava que a facção não iria mais “resolver” problemas de insegurança da população que a procura, já que essa mesma população elegeu o policial reformado Wendel Lagartixa (PL), supostamente rival da facção, para a Assembleia Legislativa.

As estudantes Mical Patrícia, 27, e Paloma Hortêncio, 24, também estavam aflitas. Elas foram liberadas do estágio do curso de farmácia porque não havia garantias de segurança na região onde estudam, em Petrópolis, na zona Leste, onde foram registradas várias ocorrências.

“A gente foi liberada mais cedo do estágio porque soubemos dos assaltos próximos da maternidade (Januário Cicco) e do HUOL (Hospital Universitário Onofre Lopes). Não temos muito policiamento por aqui”, explicou Mical. “A gente tenta ficar atenta a tudo, mas não tem como não se sentir insegura. Pode ser que seja mentira esses áudios de facção, mas acho que incentivou a violência. Verdade ou não, estamos inseguros”, completou Paloma.

Comerciantes próximos à maternidade relataram que foram registrados assaltos nas proximidades da maternidade Januário Cicco. “Vou já fechar porque tenho medo de ficar aqui. Essa freqüência de assaltos não é comum. Começou de ontem pra hoje”, disse um dos comerciantes que não quis se identificar. Na região, algumas cigarreiras fecharam mais cedo na tarde de ontem por medo da insegurança.

A Superintendência do HUOL informou que não determinou alteração nos horários de estágios. No campus universitário da UFRN, a movimentação no final da tarde foi maior do que o normal. Alunos e professores deixavam a universidade assustados com os boatos de assaltos que estariam acontecendo nos setores de aulas.

Algumas aulas chegaram as ser suspensas ou transferidas para o formato virtual, segundo os estudantes. Até o final do dia, a universidade não se pronunciou sobre as aulas, mas informou que a Diretoria de Segurança Patrimonial (DSP) não recebeu registro de ocorrências nas dependências do campus central em Natal. Em São Gonçalo do Amarante, o IFRN cancelou as aulas nos turnos vespertino e noturno. 

Ocorrências

O clima de preocupação e medo que se abateu sobre Natal não foi por acaso. Além do suposto “salve”, a divulgação de várias ocorrências ao longo do dia intensificaram o clima de insegurança.

Na zona Norte um ônibus da linha Natal/Extremoz foi praticamente seqüestrado quando quatro criminosos, um deles armado, desviaram a rota do veículo, na altura da Avenida das Seringueiras, no bairro Nossa Senhora da Apresentação.

Ao chegar num local menos movimentado, eles renderam o motorista e os passageiros levando pertences e cerca de R$ 500. Os suspeitos fugiram sem ser presos. A PM realizou diligências e a Polícia Civil investiga o caso.

Ainda na noite de quarta, no bairro de Mãe Luiza, duas mulheres foram assaltadas por três suspeitos que foram pegos e os pertences das vítimas recuperados. Na manhã de ontem, um registro de assalto em frente à Maternidade Januário Cicco,  foi confirmado pela polícia. A vítima teve o celular levado e, apesar de uma viatura policial ter ido ao local, ninguém foi preso.

Numa loja de conveniência próxima, mais um assalto ocorreu. Três bandidos invadiram o estabelecimento armados e levaram produtos alimentícios, bebidas, dinheiro do caixa e pertences de funcionários. Não há informações sobre presos. 

Empresário é morto vítima de latrocínio na zona Leste

Ainda na zona Leste, por volta do meio dia, o empresário  Jean-Pierre Roumilhac, de 73 anos, dono de uma pousada em Pipa, município de Tibau do Sul, saía de um estabelecimento comercial em Lagoa Seca, quando foi morto, tendo seu carro tomado de assalto.

Empresário foi assassinado no bairro de Lagoa Seca

“Eu estava dentro de casa e escutei primeiro um grito e depois um tiro. Quando saí vi o corpo dele sangrando aqui na frente. O Samu chegou e ele ainda estava vivo, mas não resistiu e morreu ali mesmo. Já teve outros assaltos nessa rua, mas dessa forma não tinha visto”, relatou o aposentado Francisco de Assis Gomes, 64.

Outra testemunha, que não quis se identificar disse que os vizinhos perceberam que os bandidos estavam rondando a região antes de abordar o empresário. Segundo ela, o homem costumava ir ao local, uma kitanda de temperos naturais, geralmente acompanhado pela esposa. “Hoje ele estava só e foi horrível. Vieram três jovens, a pé, e depois apareceu o quarto. Eu escutei o tiro, fiquei nervosa. Quando vim pra fora, ele estava caído”, disse a testemunha.

Segundo ela, o clima de insegurança ocasionado pela notícia sobre as supostas ameaças dos criminosos é maior, mas a região já registrou outras ocorrências em dias anteriores. “Moro há cinco anos aqui e já vi roubarem carro e moto, até assalto que fizeram uma moça fazer um pix já teve aqui semana passada, mas morte é a primeira”, explicou.

Duas ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram acionadas ao local e os paramédicos tentaram reanimar o homem baleado por cerca de uma hora, porém ele não resistiu. O estabelecimento de onde a vítima saía no momento do assalto parou as atividades no restante do dia após o ocorrido e o carro foi recuperado posteriormente no bairro Alecrim.

Polícia não responde sobre aumento de casos

As forças policiais do Estado (Polícia Civil, Polícia Militar) não responderam se foi registrado aumento de ocorrências, denúncias ou Boletins de Ocorrências ontem em relação aos dias anteriores. De acordo com o informado pela Comando da Polícia Militar, o número preciso de ocorrências está em posse do CIOSP (Centro Integrado de Operações de Segurança Pública) e esta avaliação só é possível ao término do serviço ordinário.

“No comparativo com o mesmo período da semana passada, nós temos até o momento, um nível de ocorrências menor. A Polícia Militar está nas ruas, intensificando o policiamento por meio de blitz, barreiras itinerantes e abordagens”, informou durante a tarde de ontem.

Patrulhas e barreiras da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Estadual, de fato, foram realizadas em locais estratégicos no bairro de Mãe Luíza, em Areia Preta, no acesso à Ponte Newton Navarro, na Avenida Hermes da Fonseca, na Ribeira, e na orla de Ponta Negra. Também foram registradas barreiras na avenida do Contorno, nas proximidades do Passo da Pátria

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesed/RN), também destacou que as ocorrências são catalogadas pelo Cisop  ao final do dia e somente hoje (7) seria possível fazer o comparativo. A Polícia Civil  não informou se o número de ocorrências aumentou. A inteligência da polícia investiga as mensagens.

Ao final do dia, a Secretaria de Segurança do Estado divulgou a seguinte nota: “O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, através da Secretaria Estadual de Segurança Pública e da Defesa Social orienta a população a não compartilhar informações não confirmadas em redes sociais. As informações a respeito de ocorrências serão repassadas pela assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Segurança Pública aos veículos de comunicação do estado. Ainda que boatos espalhados não tenham respaldo na realidade das ocorrências verificadas, todas as medidas preventivas já foram adotadas para garantir a paz e a segurança da população”

Colaborador

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *