Na primeira semana de janeiro, RN registra maior número de casos de Covid-19 desde julho de 2021

Na primeira semana do 2022, o Rio Grande do Norte teve a maior média semanal de novos casos de Covid-19 desde o mês de julho de 2021.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, foram registrados 2.732 casos – um crescimento de 107% na comparação com a ultima semana de dezembro, quando houve 1.314 notificações em sete dias.

O resultado do início de janeiro representa o maior número de infectados desde julho, quando, em uma semana, 4.453 pessoas foram diagnosticadas com a covid-19 no estado.

Segundo a Sesap, os dados representam um alerta. Especialistas relacionam o aumento à presença da variante ômicron e às festas de final de ano e têm recomendado a cobrança de testes em eventos sociais.

Porém, o aumento de casos não tem refletido em crescimento da ocupação de leitos de UTI. Nesta segunda-feira (10), o percentual de ocupação de leitos de UTI na rede pública era de 25%. Na semana passada ainda estava maior, em torno de 32%.

Tanto a Sesap quanto especialistas acreditam que o não aumento de internações tem relação com o avanço da vacinação no estado, mas não retira a necessidade de cuidados, principalmente com a população idosa e com comorbidades.

Nesta semana, instituições e órgãos públicos do estado anunciaram o retorno de restrições por causa do aumento de casos de covid e também de síndromes gripais. O IFRN adiou em duas semanas o retorno das aulas presenciais, que era previsto para esta segunda-feira (10). Já o Ministério Público Estadual voltou a suspender o atendimento presencial para a população.

Vacinação

Pelo menos 75% da população acima de 12 anos está vacinada com a primeira e a segunda dose da vacina contra a Covid-19 no RN – um percentual considerado significativo. Mas no momento de presença de uma nova variante, existe a preocupação especial com a aplicação da dose de reforço.

Em Natal, por exemplo, mais de 35 mil pessoas estão com a dose de reforço em atraso. Nesta semana, o Laboratório de Inovação Tecnológica da UFRN – Lais – recomendou que a cobrança de testes de covid seja uma regra em eventos de massa, para quem ainda não tomou a dose de reforço.

g1 RN

Redação

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.